3 passos simples para escolher o abacate perfeito

De origem americana, nomeadamente do México, o abacate tem duas variedades mais conhecidas: o abacate Hass, de casca escura e o de casca verde, que pode ser lisa ou rugosa.

Faz parte da alimentação dos adeptos de exercício físico e é recomendado por nutricionistas por ser uma fruta muito completa: é uma fonte de gorduras boas, de magnésio, de cálcio, de fósforo, é energético e tem poderes antioxidantes.

Indiscutivelmente benéfico para a saúde, o maior problema prende-se com a melhor escolha: umas vezes parece demasiado duro, outras demasiado mole, nuns a cor é muito verde, noutros demasiado preta ou castanha.

Basicamente há três aspectos a ter em atenção no momento de escolher o abacate:

1. O toque: deve ser suave, mas não mole. Para saber se estão no ponto é só fazer uma ligeira pressão com os dedos, sendo próprios para o consumo apenas amadurecidos.

2. O cheiro: um abacate maduro tem um cheiro forte, mas não pode ser excessivo, ao ponto de se sentir por todo o lado. Se o cheiro for demasiado forte, é sinal de que o fruto não está bom.

3. A cor: a consistência da cor é a chave. Por isso, tome nota: no caso do abacate Hass (veja a imagem), a casca deve estar bem escura, quase preta; se for o de casca verde, não deve ter manchas castanhas.

Antes de seguir essas regras é importante que você determine o seu propósito. Se você precisa para uso imediato, ou para fazer guacamole, escolha um abacate maduro, pronto para comer. Entretanto, se estiver comprando para consumo futuro, escolha um mais firme, e deixe amadurecer em casa.

Para provocar a maturação dos abacates em casa, guarde-os em temperatura ambiente, e eles estarão maduros em aproximadamente 5 dias. Para acelerar o processo, coloque os abacates em um saco de papel marrom junto com uma maçã ou banana. Para impedir a maturação, coloque os abacates na geladeira.

Você também pode gostar

Deixe um Comentário